Página principal

Coperve/ufsc concurso vestibular-ufsc/2002 prova tipo 2/B


Descargar 157.88 Kb.
Fecha de conversión22.09.2016
Tamaño157.88 Kb.

COPERVE/UFSC CONCURSO VESTIBULAR-UFSC/2002 PROVA TIPO 2/B




ESPANHOL
El café vienés

05

10

15

20

25

30

35

40

45

50
Esteban podía recordar el momento exacto en que se dio cuenta que su hermana era una sombra fatídica. Fue cuando ganó su primer sueldo. Decidió que se reservaría cincuenta centavos para cumplir un sueño que acariciaba desde la infancia: tomar un café vienés. Había visto, a través de las ventanas del Hotel Francés, a los mozos que pasaban con las bandejas suspendidas sobre sus cabezas, llevando unos tesoros: altas copas de cristal coronadas por torres de crema batida y decoradas con una hermosa guinda glaceada. El día de su primer sueldo pasó delante del establecimiento muchas veces antes de atreverse a entrar. Por último cruzó con timidez el umbral, con la boina en la mano, y avanzó hacia el lujoso comedor, entre lámparas de lágrimas y muebles de estilo, con la sensación de que todo el mundo lo miraba, que mil ojos juzgaban su traje demasiado estrecho y sus zapatos viejos. Se sentó en la punta de la silla, las orejas calientes, y le hizo el pedido al mozo con un hilo de voz. Esperó con impaciencia, espiando por los espejos el ir y venir de la gente, saboreando de antemano aquel placer tantas veces imaginado. Y llegó su café vienés, mucho más impresionante de lo imaginado, soberbio, delicioso, acompañado por tres galletitas de miel. Lo contempló fascinado por un largo rato. Finalmente se atrevió a tomar la cucharilla de mango largo y con un suspiro de dicha, la hundió en la crema. Tenía la boca hecha agua. Estaba dispuesto a hacer durar ese instante lo más posible, estirarlo hasta el infinito. Comenzó a revolver viendo cómo se mezclaba el líquido oscuro del vaso con la espuma de la crema. Revolvió, revolvió, revolvió... Y, de pronto, la punta de la cucharilla golpeó el cristal, abriendo un orificio por donde saltó el café a presión. Le cayó en la ropa. Esteban, horrorizado, vio todo el contenido del vaso desparramarse sobre su único traje, ante la mirada divertida de los ocupantes de otras mesas. Se paró, pálido de frustración, y salió del Hotel Francés con cincuenta centavos menos, dejando a su paso un reguero de café vienés sobre las mullidas alfombras. Llegó a su casa chorreado, furioso, descompuesto. Cuando Férula se enteró de lo que había sucedido, comentó ácidamente: «eso te pasa por gastar el dinero de las medicinas de mamá en tus caprichos. Dios te castigó». En ese momento Esteban vio con claridad los mecanismos que usaba su hermana para dominarlo, la forma en que conseguía hacerlo sentirse culpable y comprendió que debía ponerse a salvo.
ALLENDE, Isabel. La casa de los espíritus, 1982.

01) De acuerdo con la idea global del texto es CORRECTO afirmar que:


  1. Después del incidente en el Hotel Francés, Esteban percibió que la relación con su hermana era nefasta.




  1. El café se desparramó ante la mirada de los frecuentadores del hotel.

04. Esteban solía gastar el dinero de su madre en los cafés, por eso a Férula le molestaba lo que él hacía.


08. Esteban jamás se olvidó del triste episodio en el hotel, porque fue cuando se dio cuenta de cómo era su hermana.



02) De las siguientes afirmaciones:
- se sentó en la punta de la silla

- le hizo el pedido al mozo con un hilo de voz


se deduce que:


  1. Esteban no frecuentaba muy a menudo ambientes como aquel, por eso se sentía bastante incómodo.




  1. La actitud de Esteban demostraba su nerviosismo e inhibición.

04. A pesar de la experiencia en observar desde la calle el ir y venir de los mozos, Esteban aún no se sentía a gusto en aquel sitio.


08. El espacio estaba siempre lleno de personas elegantes y por eso era importante dar a conocer su buena educación.
16. Los cafés eran sitios muy frecuentados y ruidosos por lo que había que estar siempre atento.



03) La palabra hundir, de acuerdo con el contexto, tiene varias acepciones. Señala la(s) proposición(es) donde la palabra destacada podría ser sustituída CORRECTAMENTE como sinónimo de hundir o hundirse.


  1. El Imperio Romano se desplomó en pocos años.




  1. Los turistas inundan en enero las costas brasileñas.

04. El edificio se derrumbó porque estaba mal construído.


08. El ciclista se detuvo en los últimos tres kilómetros.
16. El velero naufragó a causa de una tormenta.



04) Señala la(s) proposición(es) que sustituye(n) CORRECTAMENTE la expresión subrayada:
“Llegó a su casa chorreado, furioso, descompuesto
01. mesurado
02. desfigurado
04. estropeado
08. atascado
16. estreñido
32. airoso




05) Señala la(s) proposición(es) que guarda(n) relación entre sí.


  1. copa, taza, vaso, cáliz.




  1. sillón, sofá, taburete, silla.

04. cama, sábana, manta, jabón.


08. traje, falda, calcetines, corbata.
16. taller, camarero, mostrador, mozo.
32. sueldo, paga, salario, ingresos.


06) Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S)
“Tomar un café vienés

Vienés – de Viena




  1. Albaíno – de Albania




  1. Griego – de Grecia

04. Irano – de Irán


08. Quiteño – de Quito
16. Guatemaltino – de Guatemala
32. Bosniense – de Bosnia



Texto 2

























10 consejos



para dormir mejor.
MIGUEL, Lourdes López et alii. Esto funciona. Madrid: ed. Edelsa, 1989.


07) Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S):
A partir del texto se deduce que:
01. Para el buen dormir, además de un colchón adecuado, hay que observar: el silencio, la claridad y la ventilación de la habitación.
02. Peso y altura son lo que definen el colchón ideal para que cada uno tenga una buena noche de sueño.
04. Estimulantes y comidas copiosas son enemigos del buen dormir.
08. La práctica del deporte en las horas que preceden inmediatamente al sueño debe ser evitada puesto que es enemiga del buen dormir.
16. Dormir y despertarse a la misma hora todos los días no son elementos que influyen en nuestras noches de sueño.


08) Según las ideas planteadas en el texto es CORRECTO afirmar:
01. Para que uno descanse y duerma mejor es necesario no olvidarse de las recomendaciones de elegir un buen colchón, evitar bebidas estimulantes, hacer ejercicios antes de acostarse y tener un ambiente sereno.
02. Para el crecimiento los niños deben dormir en un lecho equilibrado y en la posición horizontal.
04. Cuando nos olvidamos de los cuidados básicos para el buen dormir nuestro sueño es intranquilo y podemos tener dolores de espalda.
08. Tener disciplina en las horas de acostarse y levantarse puede provocar insomnio.
16. La mayoría de los jóvenes no duerme adecuadamente y eso es perjudicial a su crecimiento.


09) De acuerdo con el texto, señala la(s) propo-sición(es) que responde(n) CORRECTAMENTE a la siguiente pregunta:
¿Qué elementos pueden perjudicar una
buena noche de sueño?
01. Un colchón blando.
02. Comidas ligeras.
04. Bebidas estimulantes.
08. Oscuridad absoluta.
16. Ambiente caluroso.

10) Señala la(s) proposición(es) CORRECTA(S):
“...Al igual que las comidas copiosas son enemigos irreconciliables del buen dormir.”
La expresión señalada “al igual que” puede
TRADUCIRSE como:
01. apesar de que
02. da mesma forma que
04. no entanto
08. ao contrário
16. como



11) Señala la(s) proposición(es) que presenta(n) CORRECTAMENTE los ANTÓNIMOS.
01. desvelo – sueño
02. duro – blando
04. sedante – estimulante
08. enemigo – contrincante
16. perturbación – trastorno



12) Con base en el texto señala la(s) proposición(es) que puede(n) sustituir CORRECTAMENTE la idea presentada en la oración.

“...la Empresa que desde 1920 se desvela por el sueño de nuestro país...”


01. Desde los años 20 la Empresa se esmera por el sueño de nuestro país.
02. Hace años que la Empresa se empeña por el sueño de nuestro país.
04. Desde su fundación, en la década de 20, la Empresa se revela por el sueño de nuestro país.
08. Desde la década de 20 la Empresa se dedica con ahínco al sueño de nuestro país.
16. Desde su comienzo, en 1920, la Empresa se descabella por el sueño de nuestro país.
32. Desde el año 1920, fecha de su inicio, la Empresa se complace con el sueño de nuestro país.



LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA


Texto 1

O
5


inspetor chegou antes do tempo previsto, sinal de que viera apressado. Mau sinal, no seu entender. Viu-o, da janela, caminhando a passos lentos em direção ao ateliê. Se viera correndo, agora não demonstrava pressa. Deteve-se algum tempo no topo da escada apreciando a mangueira. Bia o esperava na porta.


10


Gosta de manga, inspetor? Essas são man-gas-espada sem fiapo, uma preciosidade.

 E, pelo tanto que a mangueira está florida, a senhora terá uma bela colheita.

 Mandarei algumas para o senhor.


15


Obrigado, mas por favor não mande para a delegacia, os policiais nem sempre são honestos.

O rápido diálogo no topo da escada serviu para aliviar um pouco a tensão da espera.

 Entre, inspetor. Aceita um café?


20


Aceito. Com pouco açúcar, por favor. Muito agradável, seu ateliê.

E
25


nquanto tomava café, Espinosa vagava pela sala olhando atentamente os objetos, verificando a marca dos pincéis, apreciando as caixas de lápis, detendo-se em cada prateleira da estante. O olhar, contudo, não parecia policial, mas estético. Por fim, falou:


30


Magníficos seus pincéis e suas tintas acrílicas, mas o que mais me fascina são seus lápis de cor. Recordações de infância, talvez, embora os meus não fossem Caran d’Ache.

  • O senhor entende de arte, inspetor?


35
Não... A menos que, como Thomas de Quincey, consideremos o assassinato como uma bela arte.  E acrescentou:  Já leu Thomas de Quincey?

 Lamento, inspetor. Sobre o que escreveu?


40
Sobre suas experiências com ópio e sobre o crime. Tinha verdadeira paixão pelo assassinato, mas era um pacato inglês que não fazia mal a ninguém. Apenas escrevia sobre assassinato, não o praticava.

 É seu autor predileto, inspetor?  Havia um leve toque de ironia na voz.


45
É um belo escritor  respondeu Espinosa  , mas não meu predileto.

 E o senhor sugere algum que não escreva apenas sobre ópio e assassinatos?


50
Sem dúvida. Tenho particular simpatia pela literatura americana: Hemingway, Steinbeck, Faulkner e, sobretudo, Melville. Considero Bartleby uma pequena obra-prima. E nele não há nem ópio, nem assassinatos  acrescentou com um sorriso.
GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. O Silêncio da Chuva. São Paulo: Cia. das Letras, 1996. p. 35-37.

13) Nos exemplos a seguir, retirados do texto 1, de Garcia-Roza, existem descrições  de movi-mentos e de características de seres  sendo percebidas pela visão, tato e paladar. Em relação ao especificado, assinale a(s) proposi-ção(ões) FALSA(S).
01. “Viu-o, da janela, caminhando a passos lentos em direção ao ateliê.”
02. “ É seu autor predileto, inspetor?  Havia um leve toque de ironia na voz.”
04. “Se viera correndo, agora não demonstrava pressa. Deteve-se algum tempo no topo da escada apreciando a mangueira.”
08. “ O senhor entende de arte, inspetor?”
16. “Enquanto tomava café, Espinosa vagava pela sala olhando atentamente os objetos, verificando a marca dos pincéis, apreciando as caixas de lápis, detendo-se em cada prateleira da estante. O olhar, contudo, não parecia policial, mas estético.”



14) Há palavras, retiradas do texto 1, distribuídas em quatro colunas (A, B, C, D). Assinale a(s) propo-sição(ões) VERDADEIRA(S) que tem(têm), res-pectivamente, palavras com: dígrafo (sendo, ao mesmo tempo, palavra derivada), hiato, oxítona e paroxítona (terminadas ou não em ditongo crescente).





Coluna A

Coluna B

Coluna C

Coluna D


01.

assassinato

aliviar

terá

ópio

02.

senhora

agradável

direção

lápis

04.

mangueira

diálogo

café

açúcar

08.

chegou

pincéis

está

tensão

16.

olhando

ateliê

inglês

infância

32.

passos

infância



rápido



15) Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEI-RA(S), observando as afirmativas referentes à obra indicada de Garcia-Roza.


  1. Espinosa, personagem de O Silêncio da Chuva, recebeu dos pais um apartamento por herança. A avó deixou livros para ele. Morava sozinho desde o falecimento da mãe de seu pai. Os vizinhos sabiam que ele era da polícia, mas Espinosa nunca fez comentário algum sobre o fato. Nas últimas páginas desse romance policial, o inspetor descobriu que Welber havia disparado a arma contra Ricardo Carvalho. Sabia quem assassinara tantas pessoas.




  1. Dona Maura, mãe de Rose, fora encontrada morta. Lucena, ao investigar o caso, viu uma cena horrível. O vidrinho de amônia denunciava a brutalidade com que essa pessoa idosa havia sido torturada antes de morrer. Lucena contou tudo isso para Carmem, sua secretária, e continuou procurando por Rose.

04. No final da parte “Preferia não fazê-lo” Rose de-cidiu seduzir Aurélio, como última medida para escapar do seqüestrador. Após algum tempo, ela percebeu que o homem estava azulado e havia morrido. Rose, psicologicamente perturba-da, não cessava de falar isto: “Inspetor Espinosa da 1a DP”.




  1. Alba era dona de uma academia; Bia tinha um ateliê; Júlio se identificava como professor; Rose mantinha-se como secretária de Ricardo; Carmem trabalhava na Delegacia, junto a Espinosa; Lucena gostava de comer mangas; Maura adorava a filha Rose. Todos esses são personagens que aparecem na parte “As duas artes”, do livro O Silêncio da Chuva.

16. Welber precisou ser operado às pressas, porque foi atingido por uma bala. Na cirurgia, foi-lhe retirado o baço. Enquanto o paciente se restabe-lecia no hospital, Espinosa prosseguia na sua busca pelo assassino. Fazia muitas perguntas ao dono do hotel e continuava procurando por um objeto ou envelope no quarto onde Rose estivera hospedada.





16) Do fragmento transcrito, de Manuel Bandeira, assinale a(s) proposição(ões) com afirma-ção(ões) VERDADEIRA(S).
...

Louvo o seu romance: O Quinze

e os outros três; louvo As Três

Marias especialmente,

mais minhas que de vocês.

Louvo a cronista gostosa.

Louvo o seu teatro: Lampião

E a nossa Beata Maria.

...
BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira. 20. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993. p. 255-256.


01. Manuel Bandeira está apresentando, nesse frag-mento, obras de uma escritora que pertence à Academia Brasileira de Letras, é do Nordeste e participou da Semana de Arte Moderna, ao lado de Mário de Andrade. Trata-se de Raquel de Queiroz.
02. Nas palavras “Três” e “Quinze”, do fragmento de Bandeira, há igual número de fonemas e diferente número de letras; entretanto em “Lampião” existe quantidade menor de fonemas e maior de letras.
04. Retirados do fragmento acima, estão colocados entre parênteses os gêneros literários que ele, Manuel Bandeira, diz ter escrito (romance, crô-nica e teatro).
08. Há, no fragmento de Manuel Bandeira, pronomes possessivos, representando a pessoa gramatical “que fala” e a pessoa gramatical “de quem se fala”.
16. No fragmento de Bandeira, a palavra “romance” completa o sentido do verbo transitivo direto “louvo”, existindo predicado que tem como núcleo um verbo.
32. Em “As Três Marias”, o termo sublinhado é pala-vra que representa uma classe gramatical com que se nomeiam os seres em geral, sendo, portanto, um substantivo do tipo coletivo que está no plural.
64. Em “louvo o seu teatro”, existe, na palavra subli-nhada, desinência nominal de gênero.



Texto 2

Um Apólogo



60

Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:


5

65
Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma cousa neste mundo?


  • Deixe-me, senhora.


10

70
Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.


15


Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros.


75


Mas você é orgulhosa.

— Decerto que sou.

— Mas por quê?


20



80
É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu?

— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu, e muito eu?


25

85
Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados...


30


Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando...

— Também os batedores vão adiante do imperador.

— Você é imperador?


35


Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto...

E
40



45
stavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana  para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:


50


Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima...

A
55


linha não respondia nada; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que

ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura;


não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte; continuou ainda nesse e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.

Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava a um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha, para mofar da agulha, perguntou-lhe:

— Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá.

Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: — Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico.

Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!
ASSIS, Machado de. Contos. 18. ed. São Paulo: Ática, 1997. p. 89-90.
Apólogo: Gênero que expressa uma verdade moral em forma de fábula. (N.E.)

Galgos = cães ágeis.

Diana: Era a deusa da caça entre os romanos. Armada de arco, Diana vivia nas matas protegendo a caça, acompanhada por seus cães. (N.E.)

17) Todas as proposições referem-se ao texto 2. Assinale a(s) VERDADEIRA(S).
01. O título nomeia um gênero literário, sendo que, nessa narrativa, aparecem objetos que se personificam, assumindo os cargos dos nobres.
02. Há um tratamento desigual entre os personagens no diálogo. Os pronomes de tratamento empre-gados por eles são: senhora, você, imperador e baronesa.
04. “Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser.” Há, nesse período composto por coordenação, o seguinte: anáfora, um verbo (abundante quanto à flexão verbal)  repetido mais de duas vezes  e uma palavra homônima homófona de cozer.
08. No parágrafo do texto de Machado de Assis que principia com “A linha não respondia nada,...” (linhas 53 – 63) não existe o ruído da voz humana, nem o diálogo entre personagens, entretanto fica clara a presença de onomatopéia, de verbos na forma nominal do gerúndio e de um substantivo diminutivo formado por derivação sufixal.
16. A obra terminada pela costureira da baronesa não tinha botões e destinava-se a agasalhar a “bela dama” para a festa noturna na qual a música é entoada, enquanto o corpo entra em movimento ritmado, tão informal quanto as festas funks dos jovens de 2001.


  1. A agulha concorda com a linha, confirmando ser ela  a linha  a única responsável por prender um pedaço do tecido ao outro.

64. A expressão sublinhada, a seguir, retirada do texto, tem como sinônimo o que está após o sinal de igualdade: “Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, ...” você faz uma atividade sob a própria orientação ...





18) O fragmento do texto 2, desde “Era uma vez ...” até “... deixe a dos outros.” (linhas 01-14), tem  sublinhadas  certas palavras que estão abaixo relacionadas em três colunas distintas. Observe:


Coluna 1




Coluna 2




Coluna 3

que

me

você

a

lhe





ar

para


de

por


com




linha

agulha


novelo

mundo


cheia

Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S), de acordo com o enunciado acima.


01. Na coluna 1, existe em negrito uma palavra que não pertence à classe gramatical de pronome.
02. Na coluna 2, há uma palavra em negrito que não pertence à classe morfológica dos outros exemplos da relação dada.
04. Na coluna 3, a palavra cheia não faz parte da relação da classe gramatical dessa coluna, por ser um adjetivo.
08. Na coluna 2 e na 3, as palavras em negrito não pertencem à classe morfológica dos outros exemplos de cada uma dessas relações.
16. Na coluna 1 a palavra em negrito não pertence à classe morfológica dos outros exemplos dessa relação.
32. As palavras em negrito, nas três colunas, não são exemplos de classes gramaticais.




19) A correlação dos nomes dos movimentos literá-rios (entre parênteses) com as respectivas infor-mações estético-literárias tem a(s) seguinte(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S).
01. (Realismo) ― Narrativa lenta, descrição objeti-va. Entre os autores dessa escola literária destaca-se Machado de Assis, com a obra Quincas Borba.
02. (Barroco) ― Aparece o “medo de amar”, o “mal do século” e, em alguns autores, a atração pela noite, pela morte e por temas macabros e satânicos.
04. (Parnasianismo) ― Emprego freqüente de ordem inversa, conceptismo, presença de antíteses e paradoxos.
08. (Ultra-romantismo) ― Retorno aos motivos clássicos, busca da perfeição formal.
16. (Arcadismo) ― Bucolismo, presença de mitolo-gia, racionalismo, convencionalismo.
32. (Romantismo) ― Misticismo e espiritualismo, presença da sinestesia, tentativa de aproximar a música da poesia.



20) Em relação às obras indicadas para leitura, assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S).

01. Em Inocência, de Visconde de Taunay, a tríade amorosa ocorre entre Cirino, Inocência e Meyer.
02. O conto “A Cartomante”, de Machado de Assis, começa fazendo referência a uma intertextuali-dade com a obra do inglês William Shakespeare, denominada Hamlet, o príncipe da Dinamarca.

04. Na obra Os Bruzundangas, de Lima Barreto, o personagem Phrancisco Novilho Ben Kosta, mais conhecido por Chico Caiana, é um agricul-tor que nada entende de plantação e, apesar disso, torna-se Ministro da Agricultura.


08. O fragmento “Foi então que aconteceu. De pura afobação a galinha pôs um ovo. Surpreendida, exausta. Talvez fosse prematuro. Mas logo depois, nascida que fora para a maternidade, parecia uma velha mãe habituada.” pertence à obra Laços de Família; está, especificamente, no conto “O Jantar”, de Clarice Lispector.
16. “Andorinha lá fora está dizendo:

“ – Passei o dia à toa, à toa!


Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste!

Passei a vida à toa, à toa...”

é um poema de Manuel Bandeira, da obra Estrela da Vida Inteira.

32. ...


“no fundo do Vale do Itajaí

ali rastejo, festejo,

o coração colono

na calma colina”...

é um fragmento escrito por Manuel Bandeira.




21) As afirmações, a seguir, referem-se à literatura e a autores brasileiros. Assinale a(s) proposi-ção(ões) que contenha(m) afirmativa(s) VERDA-DEIRA(S).
01. Guido Wilmar Sassi denomina sua obra Geração do Deserto, fazendo uma intertextualidade à passagem bíblica da travessia do deserto pelos judeus, comandados por Pedro.
02. Em O Menino de Engenho, de José Lins do Rego, o personagem protagonista Carlos fica órfão aos quatro anos; por isso, vai morar no engenho com um tio ― que era padre ― e com as tias Sinhazinha e Maria.
04. “(Visitador) Tudo isto quer dizer, Branca, que seu avô, cristão-novo, continuava fiel aos ritos judaicos. E que os praticava em sua própria casa” (O Santo Inquérito, p. 105). É um fragmento que evidencia estar o avô de Branca sendo acusado de ser um cristão.
08. Na obra Estrela da Vida Inteira, Manuel Bandei-ra mostra a influência do Concretismo em alguns poemas como, por exemplo, em: O nome em si, Flabela, A Onda, Verde-negro, Homenagem a Constant Tonegaru, Homenagem a Niomar, Azulejo e Rosa Tumultuada.
16. “Era evidente que os dois crimes estavam interli-gados, como também era evidente que o desaparecimento de Rose provocara involunta-riamente a morte da mãe.” Esse fragmento per-tence ao livro O Silêncio da Chuva, de Garcia-Roza.
32. “ – Mas isso não é nome.

– Me chamo assim, seu José Maria. Meu nome de verdade é Aparício Borges.” Trata-se de um fragmento retirado do livro Laços de Família, de Clarice Lispector.





22) A correlação dos nomes das obras literárias (entre parênteses) com as respectivas informa-ções tem a(s) seguinte(s) proposição(ões) VER-DADEIRA(S):
01. (O Santo Inquérito) ― Romance que tem co-mo tema a Guerra do Contestado, movimento que explode em 1912 e termina em 1916.

02. (Inocência) ― Obra de ficção romântica brasi-leira, em que a história se desenvolve num cenário tipicamente sertanejo, apresentando os costumes próprios à região do Mato Grosso, o falar e o modo de pensar do homem sertanejo.

04. (Geração do Deserto) ― Obra de um dos maiores dramaturgos brasileiros; retrata uma questão religiosa e apresenta o amor entre Augusto e Branca.

08. (Laços de Família) Coletânea de 13 con-tos, cuja temática centra-se no cotidiano familiar.

16. (O Código das Águas) ― Obra de um escri-tor catarinense, composta por 34 poemas que estão divididos em: Poemas, Desterro, Mini-fúndio, Poemas de Andarilho e Poemas Finais.


23) Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S), considerando somente as duas estrofes do fragmento de “OS SAPOS”, de Manuel Bandeira:
OS SAPOS

...


O sapo-tanoeiro,

Parnasiano aguado,

Diz:  “Meu cancioneiro

É bem martelado”.

...
Brada em assomo

O sapo-tanoeiro:

 “A grande arte é como

Lavor de joalheiro”.

...
BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira. 20. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993. p. 80-81.
01. No poema “OS SAPOS”, de Manuel Bandeira, há uma crítica dirigida ao Barroco.

02. Os fragmentos do texto caracterizam-se pela inexistência de rimas.

04. O discurso indireto livre aparece no primeiro fragmento de “OS SAPOS”.

08. Ao ser interpretada no contexto do poema, a palavra “martelado” transmite a idéia de ritmo; fora do contexto, “martelado” significa bater com o martelo.

16. No poema transcrito, as palavras “cancioneiro” e “assomo” são, respectivamente, exemplos de formação de palavras do tipo derivação sufixal e do tipo derivação regressiva.





24) Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S), referentes às duas charges que seguem:

Charge 1 (As cobras)



Charge 2 (Hagar)






  1. Na charge 1, encontram-se, respectivamente, dois vocativos: Flecha e Shirlei.

02. No primeiro quadrinho da charge 1, “As cobras”, o exemplo “Flecha, você me ama?” representa uma frase declarativa.


04. Em todos os quadrinhos da charge 2 existem sinais de pontuação ao término das falas, evidenciando, respectivamente, idéia de admiração, idéia interrompida, idéia de admiração e idéia de indagação.
08. No primeiro, terceiro e quarto quadrinhos da charge 2, as expressões “na idade das trevas”, “nas suas próprias casas” e “daqui a mil anos” são exemplos de objetos indiretos.
16. As palavras “trevas”, “falam” e “anos”, retiradas da charge 2, têm, respectivamente, desinência nominal de gênero e número (-as), desinência verbal de pessoa e número (-m) e desinência verbal de gênero e número
(-os).
32. O exemplo “As pessoas não estão seguras nem nas suas próprias casas!” significa que “Os seres humanos têm falta de segurança até nos próprios lares”.

64. O exemplo da charge 2, “As pessoas só falam de guerra, assassinato, crime...”, quando estruturado na voz passiva, aparece escrito desta forma: “Crime, assassinato e guerra são falados pelas pessoas.”






REDAÇÃO




I – INSTRUÇÕES





  1. Observando o item II, elabore uma redação que tenha, no mínimo vinte (20) e, no máximo, trinta (30) linhas.

  2. Lembre-se de que você deve:

    1. ocupar as linhas de uma a outra margem, na folha definitiva, respeitando os espaços dos parágrafos;

    2. empregar linguagem clara e de acordo com a norma culta da língua portuguesa;

    3. escrever com letra legível;

    4. usar somente caneta com tinta preta;

    5. utilizar, se desejar, a folha de rascunho;

    6. entregar a redação na folha definitiva.




  1. Não escreva a sua redação em versos.

  2. Não utilize o texto dado no corpo da sua redação.

  3. Não se esqueça de dar um título à sua redação.



II – ELABORAÇÃO



Foto de Pisco Del Gaiso. In: Folha de S.Paulo, 16 dez. 1992.

Republicada no mesmo jornal, em 20 ago. 2001.




Redija uma dissertação, considerando o texto e as ilustrações dadas.




PLATÃO, Francisco S.; FIORIN, José Luiz. Lições de texto: leitura e redação. 2. ed. São Paulo: Ática. 1997. Fragmento de texto, p. 318.

O BICHO

Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio

Catando comida entre os detritos.


Quando achava alguma coisa,

Não examinava nem cheirava:

Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,

Não era um gato,

Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 20. ed. Rio Janeiro: Nova Fronteira, 1993. p. 201-202.




FOLHA DE RASCUNHO

TRANSCREVA A REDAÇÃO PARA A FOLHA PRÓPRIA.

ESTE RASCUNHO NÃO SERÁ CORRIGIDO.

_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



___________________________________________________________________________________




La base de datos está protegida por derechos de autor ©espanito.com 2016
enviar mensaje