Página principal

Aladi/sec/Estudo 180. 1 21 de diciembre de 2007


Descargar 1.99 Mb.
Página8/30
Fecha de conversión18.07.2016
Tamaño1.99 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   30

CHEQUE

COM / Financ. - Documento bancário pelo qual uma pessoa autorizada para extrair dinheiro de uma conta extende a outra pessoa uma autorização para sacar uma determinada quantia de dinheiro dessa conta, sem que seja necessária sua presença. Os cheques podem ser nominais (somente a pessoa ou empresa indicada no cheque pode cobrá-lo) ou ao portador (qualquer um pode cobrá-lo). Se um cheque está cruzado diagonalmente na parte frontal por duas linhas paralelas, o dinheiro não poderá ser sacado em espécie, mas depositado em uma conta bancária. Isto se faz às vezes para seguir a pista do dinheiro pago. A quantia a pagar é escrita duas vezes (uma em números e outra em letras) para maior segurança e, nos dois casos, colocam-se símbolos ao redor, para que não se possa incluir números adicionais. Para impossibilitar ainda mais a troca de números, pode-se cobri-los com fita adesiva transparente. Um cheque em branco é um cheque assinado pelo proprietário da conta, mas sem uma quantia especificada (o que faculta ao cobrador escrever qualquer quantia e cobrá-la). É, portanto, algo muito perigoso para quem o assina.

Es: Cheque.

En: Check.
CICLO DE VIDA DO PRODUTO

COM / EcoCom. - Periodo de tempo no qual um produto produz vendas e rendimentos. Compreende 5 fases consecutivas: Desenvolvimento, Introdução, Crescimento, Maturidade e Declínio. Na Introdução, lança-se o produto no mercado e há um aumento lento nas vendas e altos gastos promocionais. Durante o Crescimento, o produto é aceito no mercado e aumentam as vendas e os benefícios. Na Maturidade, as táticas de marketing e imagem da marca são bem conhecidas; existe lealdade dos clientes, participação no mercado e estabilização do produto, mas diminui a margem de rentabilidade, devido ao fato de os preços se aproximarem mais dos custos. Aumenta-se a publicidade e o atendimento ao cliente. No Declínio, já faz-se necessário buscar novos produtos para substituir os antigos.

Es: Ciclo de vida del producto.

En: Product Life Cycle.
CIF (En)

COM / DirCom. - Abreviatura de: “Cost, Insurance and Freight”. (INCOTERM Serie C). Ver: CUSTO, SEGURO E FRETE”.
C.I.H.

EXT / Aquav. - Sigla de: “Comitê Intergovernamental da Hidrovia” (Ver)
CINTA

EXT / Prepcar. - Fita de material flexível –geralmente metal- utilizada para fechar ou reforçar embalagens de transporte ou para segurar cargas unitizadas. Também chamada de braçadeira.

Es: Fleje.

En: Hoop.
CINTADORA

EXT / Prepcar. - Equipamento manual para aplicar tensão e selar vários tipos de cintas ou braçadeiras.

Es: Flejadora.

En: Strapping machine.
CINTA TRANSPORTADORA

EXT / Movim / INT / Armaz. - Ver: CORREIA TRANSPORTADORA.
CINTO DE SEGURANÇA

EXT / Movim. - Acessório projetado para segurar o ocupante de um veículo em uma colisão, impedindo que se machuque com os elementos duros do interior do veículo e seja lançado para fora do veículo. Começaram a ser usados em aeronaves e logo em automóveis, sendo hoje obrigatórios em muitos países. Atualmente, esses cintos possuem tensores que seguram o corpo no momento do impacto, com o auxílio de uma mola ou um disparo (tensor pirotécnico). O cinto deve ser ajustado o mais rente possível do corpo, deve estar plano e sem nós ou dobras. O cinto das cadeiras deve estar posicionado à frente dos ossos do quadril, para que segurem o corpo contra um osso e não contra o abdome.

Es: Cinturón de seguridad.

En: Seat Belt.
C.I.P.

EXT / Aquav. - Sigla de: “Comissão Interamericana de Portos” (Ver)
C.I.P. (En)

COM / DirCom. - Abreviatura de: “Carriage and Insurance paid to named Point of destination (INCOTERM Serie C). Ver: “TRANSPORTE E SEGURO PAGO ATÉ”.

CÍRCULO DE QUALIDADE

INT / Admin. - Ferramenta aplicada para a melhoria contínua dos processos, composta por uma sistematização de procedimentos em etapas, que se resumem em planejar, fazer, controlar e desenvolver (“plan, do, check, act” (PDCA), a fim de melhorar as técnicas de trabalho, resolvendo os problemas comuns. Os Círculos de Qualidade nasceram no Japão depois da II Guerra Mundial, quando aquele os produtos daquele país eram conhecidos por seu baixo preço e pouca qualidade. Algumas das caraterísticas dos círculos de qualidade são as seguintes: a participação é voluntária, de grupos pequenos (4 a 6 pessoas), que realizam o mesmo trabalho ou trabalhos diferentes, mas com objetivos comuns. Os grupos se reúnen periodicamente, para analisar e resolver problemas que eles mesmos descobrem, e são propostos à chefia. Participam diversas categorias laborais e não se leva em consideração a relação hierárquica de autoridade e dependência. O líder é escolhido pelos membros e pode ir mudando de acordo com o grupo. A principal técnica utilizada é a “geração espontânea de idéias” ou "brainstorming", onde os participantes dão o máximo número de idéias sobre um tema proposto, não importando a qualidade das mesmas, e sim sua quantidade e originalidade.

Es: Círculo de calidad.

En: Quality Circle.


CISTERNA

EXT / Aquav. - 1. Embarcação que fornece água. 2. Depósito de conservação de água.

Es: Aljibe, buque.

En: Water tank.
c.k. (En)

COM / Financ. - Abreviatura de: “check”. Ver: CHEQUE.
C.K.D (En)

INT / Prod. - Abreviatura de “Complete, Knocked Down”. Ver: PROCESSO CKD.
C/L (En)

EXT / Prepcar. - Abreviatura de: “Container Load”.

Es: Carga del contenedor.

Es: Carga de contêiner.
C.L. (En)

EXT / Aquav. - Abreviatura de: “Conference Line”. Ver: CONFERÊNCIA DE FRETES.
CLASSE OMI

COM / DirCom. - Classificação de uma mercadoria perigosa segundo os termos da Convenção Internacional para a Segurança da Vida Humana no Mar (1974) e suas modificações. Pela Convenção, essas mercadorias se dividem em 9 classes e subdivisões, com base em suas propriedades particulares. Ver: SOLAS 74.

Es: Clase OMI

En: IMO Class.
CLASSIFICAÇÃO TARIFÁRIA

COM / Aduana. - Ação pela qual se ordenam racionalmente as mercadorias para uma correta e rápida classificação e individualização, para se conhecer o tipo de tributo alfandegário ou tarifa que lhes será aplicada ou o regime aduaneiro ao qual devem ser submetidas.

Es: Clasificación arancelaria.

En: Tariff classification.
CLASSIFICAÇÃO CENTRAL DE PRODUTOS (CCP)

COM / DirCom. - Sistema internacional de categorias de produtos e serviços comercializáveis em escala nacional ou internacional, desenvolvido com a finalidade de oferecer um marco comparativo de estatísticas. A CCP ajuda a orientar os países que elaborem pela primeira vez uma classificação de produtos, ou que estejam revisando seu sistema de informação para torná-lo compatível com as normas internacionais.

Es: Clasificación Central de Productos. (CCP)

En: Central Product Classification (CPC)
CLASSIFICAÇÃO INDUSTRIAL INTERNACIONAL UNIFORME (CIIU)

COM / DirCom. - A CIIU é uma classificação de atividades econômicas criada em 1948 pelas Nações Unidas, e seu principal objetivo é permitir aos países a produção de dados estatísticos dentro de categorias comparáveis em escala internacional. Na reunião da Comissão de Estatística das Nações Unidas celebrada en março de 1999, ficou acordado que as classificações internacionais de atividades econômicas e de produtos fossem revisadas, com o propósito de que se consiga uma maior harmonização entre as classificações de todo o mundo. O nível de desagregação vai de um a quatro dígitos e tem dois campos: Código de Atividade e Tipo de Atividade. Essa revisão previu duas fases denominadas operação 2002 e operação 2007, fazendo-se alusão ao ano em que entraram em vigor as novas classificações. A revisão de 2002 é de ordem menor, ou seja, concentra-se principalmente em modificações nas notas explicativas. No ano de 2007 previu-se uma nova classificação, com uma nova estrutura.



Es: Clasificación Industrial Internacional Uniforme (CIIU)

En: International Standard Industrial Classification of All Economic Activities. (ISIC)
CLASSIFICAÇÃO UNIFORME PARA O COMÉRCIO INTERNACIONAL (CUCI)

COM / DirCom. - Nomenclatura de produtos criada em 1960 pela Organização das Nações Unidas, produzida com base na Nomenclatura de Genebra (primeira nomenclatura reconhecida internacionalmente, criada em 1937), com o objetivo de fornecer informação para a elaboração de estatísticas de comércio internacional. Foi revisada várias vezes, dando lugar à atual Nomenclatura CUCI revisada. Além das transações comerciais ordinárias, a CUCI inclui o comércio oficial (mercadorias de ajuda do exterior, as reparações de guerra em espécies e o comércio de artigos para fins militares), o comércio de concessionários estrangeiros e o comércio por correio. Excluem-se os bens que passam pelo país somente em trânsito. A CUCI permite obter estatísticas relativamente detalhadas também para o estudo de áreas temáticas do comércio exterior com um considerável grau de especialização.

Es: Clasificación Uniforme para el Comercio Internacional (CCI)

En: Standard International Trade Classification System (SITC).
CLÁUSULA DE DEPÓSITO A DEPÓSITO

COM / Seg. - Conjunto de disposições que são incorporadas a uma apólice de seguro de transporte, em virtude das quais as mercadorias estão seguradas durante um prazo limitado de tempo e desde o momento em que estejam localizadas no armazém do vendedor até que estejam localizadas no armazém do comprador. Sin. Cláusula de Armazém a Armazém.

Es: Cláusula de Depósito a Depósito.

En: Warehouse to warehouse clause.
CLÁUSULA DE DESVIO DE ROTA

COM / Seg. - Conjunto de disposições que são incorporadas a uma apólice de seguro de transporte marítimo, pelas quais, depois da entrada en vigor do seguro, a empresa de navegação pode modificar a rota prevista, sem que com isso se modifiquem as condições de cobertura inicialmente previstas, desde que tal desvio seja notificado à seguradora imediatamente à decisão.

Es: Cláusula de cambio de ruta, cláusula de cambio de derrota.

En: Deviation clause.
CLÁUSULA DE PRONTIDÃO RAZOÁVEL

COM / Seg. - Conjunto de disposições que são incorporadas nas apólices de seguro de operações de transporte, em todos os modais, por medio das quais se obriga ao segurado e seus agentes, empregados ou procuradores, a atuar com razoável prontidão e diligência em toda e qualquer circunstância sob seu controle.

Es: Cláusula de prontitud razonable.

En: Reasonable dispatch clause.
CLÁUSULAS DO INSTITUTO DE SEGURADORES DE LONDRES

COM / Seg. - Disposições de um contrato de seguros pelas quais se determina o tipo e a natureza do mesmo. Em função destas cláusulas, varia o tipo de cobertura do contrato e os riscos cobertos, dando assim origem a diferentes tipos de contrato de seguros:

Cláusula A: Todos os riscos (admite cláusulas adicionais de guerra e greve).

Cláusula B: Acidentes com meios de transporte; Incêndio ou explosão; Descarga em porto de arribada forçosa; Terremotos; Erupções vulcânicas e raios; Sacrifício em avaria grossa; Carga lançada ao mar; Arrasto pelas ondas; Entrada de água de mar, lago ou rio no porão do navio ou meio de transporte; Perda total de qualquer volume que caia na água ou por queda nas operações de carga e/ou descarga;

Cláusula C: Acidentes do meio de transporte; Incêndio ou explosão; Descarga em porto de arribada forçosa; Sacrifício em avaria grossa; Carga lançada ao mar.

Exclusões: Dolo; Derrames usuais ou perdas de peso ou volume naturais; Uso e desgaste normais dos objetos segurados; Vício próprio; Insuficiência ou impropriedade da embalagem; Demora; Insolvência ou falha financeira dos transportadores; Impropriedade do meio de transporte; Armas de guerra que empreguem fissão atômica ou nuclear ou força radioativa; Captura, seqüestro, embargo ou detenção; Guerra; Greve; Cláusula de exclusão de contaminação radioativa.

Es: Cláusulas del Instituto de los Aseguradores de Londres.

En: London Cargo Clauses.
CLÁUSULA NEW JASON

EXT / Aquav. - Disposições pelas quais se determina que, em caso de acidente, perigo, dano ou desastre, antes ou depois do começo da viagem, por qualquer causa devida ou não à negligência do transportador, o armador não seja responsabilizado por força de lei, contrato ou de qualquer outra forma pela carga, devendo os fretadores, consignatários ou proprietários das mercadorias contribuir com o transportador pelo pagamento de qualquer perda ou gasto causado por avaria grossa e abonar os encargos de recuperação e especiais nos quais se tenha incorrido relativamente à carga.

Es: Cláusula Restrictiva de Responsabilidad del Transportador.

En: New Jason Clause.
CLÁUSULA PARAMOUNT

EXT / Aquav. - Ver: CLÁUSULA PRINCIPAL.
CLÁUSULA PRINCIPAL

EXT / Aquav. – Também chamada de “Cláusula Paramount”, esta disposição está contida em todos os conhecimentos de embarque marítimos aos quais se aplicam as Regras de Haia de 1924 e suas modificações pelos Protocolos de 1968 e de 1979 – isto é, as “Reglas de Haia-Visby”. Incorpora-se ainda nela a legislação aplicável ao contrato. As demais cláusulas apenas servem para detalhar as regras incorporadas. Esta Cláusula define, entre outras, o regime de responsabilidade do transportador marítimo; os limites de indenização existentes em caso de descumprimento por parte do transportador e os prazos para que o usuário faça reclamações.

Es: Cláusula Principal.

En: Paramount Clause.
CLÁUSULA VERMELHA

COM / DirCom. - Permite ao vendedor/exportador dispor total ou parcialmente do montante do crédito, antes de apresentar os documentos requeridos e mesmo antes de expedir a mercadoria. É um financiamento do comprador/importador ao vendedor/exportador.

Es: Cláusula roja.

En: Red Clause.
CLIENTE-SERVIDOR

COM / Teletics. - Tecnologia que descreve a relação entre dois programas de computação. Nessa relação, um programa (o cliente), pede a outro programa (o servidor), que lhe preste um serviço. Em uma rede, o modelo cliente/servidor oferece uma maneira muito útil de interligar programas dispersos em diferentes locais.

Es: Cliente-servidor.

En: Client-server.
CLIP ON UNIT (En)

EXT / Prepcar. - Termo que significa “Unidade de refrigeração separada”.
CLUBES DE PROTEÇÃO E INDENIZAÇÃO (P&I)

EXT / Aquav. / Seg. - Pelo alto custo dos seguros no transporte marítimo, especialmente dos de casco e máquinas, no século XVIII nasceram na Inglaterra os Clubes de Proteção e Indenização (P&I Clubs), mutualistas de seguro integradas por armadores e fretadores, que cobrem os riscos nos quais incorrem estes na exploração e condução do navio, protegendo os interesses de armadores e fretadores, frente às reclamações que terceiras pessoas possam fazer-lhes, provenientes de um contrato ou de uma disposição legal que lhes designa como responsáveis. Este tipo de seguro é inerente à atividade de navegação e costuma complementar-se com outros seguros, como o seguro de mercadorias, que cobre o risco que sofram as mercadorias durante o trânsito marítimo e o seguro de casco e máquinas, que garante os danos ocasionados e desembolsos derivados do âmbito do casco do navio e suas máquinas. A cobertura deste seguro se divide em dois grandes ramos: a) riscos de proteção (tripulação, não-tripulantes, salvamento de vidas, colisão ou abordagem, poluição, reboque, remoção de restos e quarentena); b) riscos de indenização (danos à carga, contribuição de avaria grossa e multas).

Es: Clubes de Protección e Indemnización.

En: Protection and Indemnity Clubs (P&I Clubs); “PANDI”.
CLUSTER (En)

1. COM / EcoCom. - Concentração geográfica de empresas interligadas entre si, que atuam em um mesmo setor econômico, com operadores especializados, prestadores de serviço, e instituições associadas.

2. COM / Teletics. - Conjuntos de computadores, montados com componentes de hardware comuns (uma só rede de alta velocidade) e software livre, com o propósito de oferecer microprocessadores de alto rendimento e mais econômicos. A idéia inicial que conduziu ao cluster foi desenvolvida pela IBM.

Sem tradução.
C.M.R. (Fr)

COM / DirCom. - Abreviatura de: "Convention relative au Contrat de Transport International de Marchandises par Route". Ver: CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS POR RODOVIA.
C.N. (En)

COM / Financ. - Abreviatura de “Credit note”. Ver: NOTA DE CRÉDITO.
CN22/23

EXT / Postal. - Formulários de declaração especiais, aplicáveis aos envios postais e descritos nas normas da União Postal Universal, atualmente vigentes.

Es: CN22/23

En: CN22/23
c/o (En)

EXT / Movim. - Abreviatura de “care of.

Es: “Bajo la custodia de..”

Pt: “aos cuidados de..” (a/c)
COBERTA

EXT / Aquav. - Cada uma das superficies ou solos de um navio, de madeira ou metálicos, que em diferentes alturas em relação à quilha, dividem o navio horizontalmente. O espaço entre cobertas é denominado entreponte. Cada coberta tem uma destinação em cada navio, seja de passageiros (para camarotes), seja um navio de carga, que prescindirá de cobertas( para o uso deste espaço para carga). Sin.: Convés.

Es: Cubierta.

En: Deck.
COBERTURA DO ESTOQUE

2. INT / Armaz. - Medida do nível de estoque por tempo de consumo (inverso da rotação).

Es: Cobertura del stock.

En: Stock coverage.
COBERTURA DO SEGURO

1. COM / Seg. - É a proteção que a seguradora outorga na apólice e que geralmente é estabelecida nas cláusulas do contrato de seguro (apólice).

Es: Cobertura del seguro.

En: Insurance cover.

COBRANÇA POR FATURIZAÇÃO (FACTORING)

COM / Financ. - Sistema de cobrança pelo qual uma empresa cede a um intermediário financeiro (agente de fomento mercantil ou empresa de factoring) seus direitos sobre créditos, em troca do pagamento antecipado do crédito, porém deduzindo deste montante uma comissão. Este serviço permite às pequenas empresas liberarem-se de problemas de faturamento, contabilidade, cobranças e litígios, que exigen um pessoal muito numeroso.

Es: Cobro por factores.

En: Factoring
C.O.D. (En)

COM / Financ. - Abreviatura de “Cash on delivery” ou “Collet on delivery”.

Es: “Cóbrese a la entrega”

Pt: “Pagamento na entrega”.
CÓDIGO ASCII

COM / DirCom. - Ver: CÓDIGO PADRÃO AMERICANO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO.
CÓDIGO DE BARRAS

EXT / Prepcar. - Sistema ou técnica de marcado para a identificação e acompanhamento de produtos. Consiste na entrada de dados (como a captura manual, reconhecimento óptico e fita magnética), com imagens formadas por combinações de barras e espaços paralelos, de larguras variáveis, que representam números, que por sua vez podem ser lidos e decifrados por leitores ópticos ou scanners, que reconhecem o contraste entre as áreas claras e escuras do símbolo. Os códigos de barras podem ser criados em uma ampla variedade de formatos, impressos em adesivos, tecidos ou papelão. O código serve para identificar os produtos de forma única, pois conta com informação detalhada do artigo ou do documento que o contém, através de uma relação com um banco de dados. A correspondência entre as mensagens que representam e o código de barras se denomina simbologia. Algumas aplicações dos códigos de barras são: Controle de mercadorias; Controle de estoques; Controle de tempo e freqüência; Pedidos de reposição; Identificação de pacotes; Embarques e recibos; Controle de qualidade; Controle de produção; Perícias; Faturamento.

O primeiro sistema de código de barras foi patentado em 1949 e se tratava de um "alvo" (bull’s eye code) feito de uma série de círculos concêntricos. Uma correia transportava os produtos a ser lidos por uma fotodetetora. Em 1967, a Associação Norteamericana de Ferrovias já aplicava códigos de barras para o controle do trânsito de embarques e, nesse mesmo ano, os supermercados Kroger instalaram o primeiro sistema de varejo baseado em códigos de barras. Em 1969, o laser faz sua aparição: usando luz de gás Hélio-Neon, foi instalado o primeiro scanner fixo. No início dos anos 70, surgiram as primeiras aplicações industriais dos códigos de barras, mas somente para manejo de informação: bibliotecas, bancos de sangue, montagem de automóveis. Em 1973, surge nos Estados Unidos o código U.P.C (Universal Product Code), primeiro código padrão de identificação de produtos. Em 1976, a Europa cria sua própria versão do U.P.C, o código EAN. Hoje o U.P.C. e o EAN compõem o GS1. Ver: CÓDIGO EAN; CÓDIGO UNIVERSAL DE PRODUTOS (UPC); CONSELHO DO CÓDIGO UNIFORME (UCC) e ASSOCIAÇÃO EUROPÉIA DE NUMERAÇÃO DE ITENS (EAN).



Es: Código de barras.

En: Bar Code.
CÓDIGO DE CONDUTA DAS CONFERÊNCIAS MARÍTIMAS

EXT / Aquav. - Tratado das Nações Unidas que entrou em vigor em 1983 e tem por objetivo abrir o "clube" reservado das conferências às linhas de transporte marítimo do terceiro mundo, através de um acordo de divisão da carga (a famosa fórmula 40 40 20), mas o intento fracassou bastante. Devido ao elevado número de participantes (mais de 70 partes contratantes), na prática o Código só foi aplicado em uma parte ínfima do tráfego mundial: o tráfego entre Europa Ocidental e África Ocidental, que supostamente representa menos de 3% do tráfego regular mundial. Finalmente, as conferências foram dissolvidas por abuso de sua posição dominante frente aos armadores independentes.

Es: Código de Conducta de las Conferencias Marítimas.

En: Convention on a Code of Conduct for Liner Conferences.
CÓDIGO EAN (En)

EXT / Prepcar. - Abreviatura de: “European Article Number”. Código de barras concebido na Europa para numerar os produtos de grande consumo. Pode ser aplicado hoje a qualquer categoria de produtos, em qualquer etapa da cadeia de suprimento. O código EAN divide-se em 4 partes: os primeiros dígitos identifican a organização nacional inscrita no sistema. Em seguida vem a referência do item, composto de: Código da empresa (número composto por 5 a 8 dígitos); código do produto (completa os 12 primeiros dígitos) e o dígito de controle. Ver: ASSOCIAÇÃO EUROPÉIA PARA A NUMERAÇÃO DE ITENS (EAN).

Es: Código EAN.

En: EAN Code.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   30


La base de datos está protegida por derechos de autor ©espanito.com 2016
enviar mensaje